Pañcadaśi (Descrição do Vedānta em quinze capítulos) Swami Vidyaranya (século XIV)

Panchadashi - Pañcadaśi (Quinze capítulos sobre Vedānta) de Swami Vidyaranya, traduzido para o espanhol por Hugo Labate. Essa obra, do século XIV, expõe os principais conceitos do Advaita Vedānta.

A obra Pañcadaśi é um manual da filosofia Advaita Vedānta, escrito por um grande mestre indiano do século XIV: Swami Vidyaranya. Trata sobre os conceitos principais do Vedānta e sobre os métodos que levam à realização da verdade suprema. 

Não é uma obra simples, para pessoas que não possuem ainda familiaridade com o Vedānta. Se estilo é o de um livro de definições (Prakaraṇa grantha), esclarecendo os pontos principais do Vedānta, explorando temas importantes das Upaniṣads. O texto procura esclarecer dúvidas sobre a doutrina, sendo uma obra citada como referência pelos seguidores do Vedānta. Considera-se que seu estudo pode encaminhar os adeptos ao conhecimento mais elevado. 

Mahābhārata completo

Tradução completa do Mahābhārata, o épico indiano, do inglês para o português, por Eleonora Meier.

Os arquivos todas as 18 partes da obra, em PDF, um índice e uma introdução.

O Mahābhārata é um dos dois principais épicos sânscritos da antiga Índia, sendo o outro o Rāmāyaṇa. O título pode ser traduzido como "o grande conto da dinastia Bharata".

O Mahābhārata é uma narrativa lendária épica da Guerra Kurukṣetra e do destino dos príncipes Kaurava e Pāṇḍava. Também contém material filosófico e devocional, como uma discussão dos quatro "objetivos da vida" ou puruṣārtha (12.161). Entre as principais obras e histórias no Mahābhārata estão a Bhagavad-Gītā, a história de Damayanti, uma versão abreviada do Rāmāyaṇa e a história de Ṛṣyasringa, muitas vezes consideradas como obras por direito próprio.

Tradicionalmente, a autoria do Mahābhārata é atribuída a Vyāsa. Houve muitas tentativas de desvendar seu crescimento histórico e camadas de composição. Acredita-se que as partes preservadas mais antigas do texto não sejam muito mais antigas do que em torno de 400 a.C., embora as origens da epopeia provavelmente estejam entre os séculos VIII e IX a.C.. O texto provavelmente chegou à sua forma final no início do período Gupta (c. 4º século EC). De acordo com o próprio Mahābhārata, o conto se estende de uma versão mais curta de 24.000 versos chamados simplesmente de Bhārata.

Tattva Bodha (“O Despertar para a Realidade”) e Viveka cūḍāmaṇi (“A Jóia Suprema da Discriminação”)

Tattva Bodha (“O Despertar para a Realidade”) e Viveka cūḍāmaṇi (“A Jóia Suprema da Discriminação”), dois textos sobre Advaita Vedānta de Śaṅkarācārya. Versão bilíngue (sânscrito / espanhol) por Hugo Labate.

Apresentamos aqui duas obras fundamentais da filosofia Vedānta: Tattva Bodha e Viveka cūḍāmaṇi (“O Despertar para a Realidade” e “A Joia Suprema da Discriminação”). O autor desses dois textos foi Śaṅkarācārya, um dos mais importantes expoentes da corrente Advaita (não dualista) do Vedānta. O princípio fundamental dessa concepção é a identidade entre o Eu interno (Ātman) e o Absoluto (Brahman), que são apenas dois aspectos de uma única realidade. Por isso, o Vedānta não busca uma divindade externa para ser cultuada, e sim busca o encontro da pessoa com o seu Eu mais interno, que é não apenas uma "centelha divina", mas sim a totalidade da divindade. Tudo aquilo que vemos à nossa volta e que parece ser diferente de Ātman-Brahman é apenas uma manifestação secundária, cuja natureza precisa ser reconhecida. Assim como uma onda do mar não tem uma realidade separada, mas é apenas uma manifestação da água, da mesma forma tudo aquilo que nossos sentidos nos mostram não passa de manifestações da Realidade única, que é Ātman – Brahman. 

Mānava-Dharma-Śāstra - Código de Manu 

O Manusmṛti é um antigo texto legal entre os muitos Dharmaśāstras do hinduísmo. Manusmṛti também é chamado de Mānava-Dharmaśastra ou Leis de Manu, ou Código de Manu, cuja redação pode ser situada aproximadamente nos primeiros séculos antes ou depois da era cristã – entre 200 a.C. e 200 d.C. Alguns dos elementos contidos no Código de Manu podem ser encontrados em fontes muito mais antigas, como certas upaniṣads, nos bramaṇas, nas compilações (Saṁhitās) dos Vedas, e também em outros textos aproximadamente do mesmo período do Código de Manu, como os gṛhyasūtras. 

Foi um dos primeiros textos em sânscrito a ser traduzido para o inglês em 1794, por Sir William Jones, e usado para formular a lei hindu pelo governo colonial britânico.

Mais de cinquenta manuscritos dos Manusmṛti são agora conhecidos, mas a versão autêntica mais antiga, mais traduzida e presumida desde o século XVIII, foi o "manuscrito de Calcutá com comentários de Kulluka Bhatta". 

Dṛg-Dṛśya-Viveka

O Dṛg-Dṛśya-Viveka é um texto da Advaita Vedānta atribuído a Bhāratī Tīrtha ou Vidyaranya Swami (1350 d.C). Embora também seja atribuído a Śaṅkarācārya, o texto é mais comumente atribuído a Bhāratī Tīrtha (c. 1350). Também é conhecido como Vākyasuddha, que é atribuído a Śaṅkara.

O Dṛg-Dṛśya-Viveka contém 46 ślokas realizando uma investigação sobre a distinção entre o "vidente" (Dṛg) e o "visto" (Dṛśya), uma visão geral de samādhi, centrada em savikalpa e nirvikalpa, e a identidade de Ātman e Brahman.

Gauḍapāda-Kārikā de Gauḍapādācārya

Comentário (Kārikā) de Gauḍapāda sobre a Māṇḍukya Kārikā.

Gauḍapāda foi o autor ou compilador do Māṇḍukya Kārikā, também conhecido como Gauḍapāda Kārikā. O texto consiste em quatro capítulos (também chamados de quatro livros), dos quais o capítulo quatro usa a terminologia budista mostrando assim que foi influenciado pelo budismo. No entanto, doutrinariamente, o trabalho de Gauḍapāda é do Vedānta e não o budismo. Os três primeiros capítulos do texto de Gauḍapāda foram influentes na tradição Advaita Vedānta. Partes do primeiro capítulo que incluem o Māṇḍukya Kārikā foram consideradas uma fonte escriturística válida pelas escolas Dvaita e Viṣistadvaita do Vedānta, mas nada do capítulo quatro com sabor budista encontrou aceitação ou uso na escola do Vedānta do Hinduísmo.

Spandakārikā - a pulsação criativa divina, de Vasugupta

Spandakārikā foi uma das primeiras tentativas do domínio de Śākta Śaiva de apresentar uma metafísica não-dualista e uma soteriologia gnóstica em oposição à exegese dualista do Śaiva Siddhanta. Os Śiva Sūtras apareceu para Vasugupta em um sonho, de acordo com a tradição. A Spandakārikā foi composta por Vasugupta ou por seu aluno Bhatta Kallata. 

Lecciones espirituales de Swami Sivananda

 "Lecciones espírituales", tradução para o espanhol do livro "Spiritual lessons" de Swami Sivananda.

Este é um livro introdutório sobre Yoga e vida espiritual. Foi escrito por Swami Sivananda (1887-1963) para pessoas que estão imersas em atividades de trabalho, e não para pessoas que tenham abandonado a vida social para se dedicar apenas à busca da iluminação. Assim, esta obra procura conciliar a vida prática com uma dedicação ao trabalho espiritual.  Foi escrito por Swami Sivananda na década de 1930. Primeiramente, suas várias partes foram publicadas sob a forma de artigos em revistas indianas. Depois, ele reuniu os primeiros 500 parágrafos em um livro chamado "Spiritual lessons", publicado em 1934; um segundo conjunto contendo outros 500 parágrafos foi publicado em 1935; e em 1939 reuniu as duas partes como um só livro. É esta versão completa, juntamente com alguns apêndices.

O Senhor Śiva e sua Adoração - El señor Śiva y su adoración de Swami Sivananda

Apresentamos para nossos leitores o texto completo da tradução espanhola do livro de Swami Sivananda, “El Señor Shiva y su adoración" (Lord Siva and His Worship), que descreve aspectos fundamentais da filosofia shivaísta e do culto a Shiva.

Esta é uma obra muito útil, cheia de informações importantes e bem fundamentadas sobre Shiva, dedicada especialmente aos seus devotos. Contém 15 capítulos e está repleta de instruções para a Sādhana prática, com o objetivo de atingir a realização da essência de Shiva (Shiva Tattva). Expõe práticas pouco conhecidas, baseada no estudo dos textos clássicos.

O livro contém a tradução das Upaniṣads dedicadas a Śiva (Śaiva Upaniṣads) e de outros textos importantes da tradição Śivaísta. Apresenta também a vida de alguns dos grandes devotos (bhaktas) de Shiva do passado. É uma obra fundamental para quem quer conhecer mais profundamente essa tradição.

A distribuição dessa obra é livre, por autorização da The Divine Life Trust Society.

Surya Namaskara – Sūrya Namaskāra: a Saudação ao Sol

Resumo do livro Sūrya Namaskāra - resumo da prática detalhada da Saudação ao Sol (Sūrya Namaskāra), baseado na obra de Satyananda Saraswati. 

Livro: Surya Namaskara Autor: Swami Satyananda Saraswati Editora: Satyananda Yoga

 Este livro discute a prática completa da "Saudação ao Sol" em detalhes, inclusive os Sūrya Mantras e Bīja Mantras, pontos de concentração e diretrizes para auxiliar tanto praticantes quanto professores. Um estudo fisiológico profundo do Sūrya Namaskāra encoraja seu uso nos dias de hoje como uma poderosa prática terapêutica. Sūrya Namaskāra, ou saudação ao Sol, é uma importante prática do Yoga que remonta ao antigo período dos Vedas, quando o Sol (Sūrya) era venerado como um poderoso símbolo de consciência espiritual. De suas origens esotéricas, o Sūrya Namaskāra desenvolveu-se em uma prática de doze posições que se entrelaçam para gerar Prāṇa (energia sutil), visando a purificação e o rejuvenescimento do praticante.

O Evangelho de RamaKrishna, por Mahendranath Gupta.

Texto completo da obra o Evangelho de RamaKṛṣṇa (The Gospel of Sri RamaKṛṣṇa), por Mahendranath Gupta, traduzido para o inglês por Swami Nikhilananda e do inglês para o português por Leda  Marina  Bevilacqua  Leal.

O The Gospel of Sri RamaKṛṣṇa é a tradução para o inglês do Sri Sri RamaKṛṣṇa Kathamrita, as conversas de Sri RamaKṛṣṇa com seus discípulos, devotos e visitantes, registradas por Mahendranath Gupta, que escreveu o livro sob o pseudônimo de “M”. As conversas em bengali compreendem cinco volumes, o primeiro dos quais foi publicado em 1897 e o último, um pouco depois da morte de M., em 1932. O Sri RamaKṛṣṇa Math de Madras publicou em dois volumes, uma tradução para o inglês de capítulos selecionados da monumental obra em bengali.

SHRI YOGA DEVI

  • Preto Ícone Instagram
  • Preto Ícone Facebook
  • Preto Ícone YouTube
Cadastre-se para receber novidades!
430485-PE9ZCG-718.png

Serra da Mantiqueira - Caixa Postal 188

CEP 37640-970 Extrema, MG