Blog Shri Yoga Devi
Bem vindos!!!
www.shri-yoga-devi.org
 
Postagens do Blog
+ 2013 / 1º semestre
+ 2012 / 2º semestre
+ 2012 / 1º semestre
+ 2011 / 2º semestre
+ 2011 / 1º semestre
+ 2010 / 2º semestre 
+ 2010 / 1º semestre
+ 2009 / 2º semestre
 
EU SOU
Flávia Bianchini
Satyananda Svarupini (Flávia). Sou Instrutora de Kundalini Yoga e Artista Plástica. Coordeno o espaço Shri Yoga Devi onde ministro aulas de Yoga. Veja o site: www.shri-yoga-devi.org

Maha Devi
"Do meu Poder tudo brota,
Por meu Poder tudo se sustenta,
Por meu Poder tudo se dissolve.
Eu sou este Brahman sem dualidades."
Kaivalya Upanisad

Mitologia: 

A divindade Ardhanarishvara

O nome Ardhanarishvara pode ser decomposto em Ardha+nari+ishvara. Ishvara é o título que significa "governante" ou "senhor", dado a várias divindades hindus. Neste caso em particular, Ishvara está sendo associado a Shiva. Nari significa mulher, assim como nara significa homem, em sânscrito. Ardha significa metade. Assim, Ardhanarishvara é "o Senhor que é metade mulher".

Ardhanarishvara

Na iconografia de Ardhanarishvara, em geral o lado esquero representa a Deusa Parvati, também chamada Gauri; e o lado direito representa Shiva. Normalmente, nas imagens de Ardhanarishvara, Parvati tem um corpo rosado e veste um sari vermelho e tem enfeites dourados; segura uma flor de lótus em uma das mãos. Shiva tem um corpo cinza-azulado, veste uma pele de tigre que simboliza o controle sobre a natureza animal, e está decorado com serpentes representando o controle do veneno das paixões. Segura um tridente, fazendo com a outra mão o gesto de destemor (abhaya mudra).

Ardhanarishvara é uma das formas prevalentes do Divino na arte indiana desde o início da era cristã, ou um pouco antes. As primeiras imagens de Ardhanarishvara que conhecemos são relatadas a partir do período dos Kushanas (cerca de 187-90 d.C.). Alguns estudiosos descobriram uma figura do tipo de Ardhanarishvara no verso de uma moeda bastante danificada, e acham que pode ser a primeira imagem de Ardhanarishvara existente. A moeda parece ter o ícone Śiva, mas há dúvidas de que represente Ardhanarishvara. Em vez da moeda, é uma escultura Kushana de meados do primeiro século (ver abaixo), atualmente no Museu Público de Mathura, que é geralmente considerado o primeiro exemplo de Ardhanarishvara na arte.

Ardhanarishvara
Uma das imagens antigas de Mathura

No Rigveda e no corpo posterior do pensamento indiano, há muitos elementos sugestivos da união de elementos masculinos e femininos, como instrumentos de criação. No entanto, além dessas dimensões simbólicas, a literatura vêdica não faz nenhuma alusão direta à forma de Ardhanarishvara ou a qualquer termo sugestivo de uma forma andrógina. Assim, há estudiosos que afirmam que a forma de Ardhanarishvara é uma percepção artística, um produto da estranha imaginação do homem, uma anatomia singular buscando conciliar os elementos conflitantes masculino e feminino em uma forma divina.

A UNIÃO BIOLÓGICA DA DUALIDADE EXTERIOR

É verdade que a literatura canônica e as prescrições iconográficas sobre Ardhanarishvara apareceram muito depois que a imagem de Ardhanarishvara foi descoberta na arte, mas o conceito de dois elementos – o macho e a fêmea, fundindo-se um ao outro para efetuar a criação – era antiga. Essa aparente contradição visual da arte tem, assim, não só um profundo significado e importância cósmica, mas também suas raízes relacionadas nos textos antigos e metafísicos da criação. Mais significativamente, a forma de Ardhanarishvara representa a unidade biológica da dualidade externa, o que a mente indiana sempre percebeu em todas as coisas e em todo o processo criativo. 

Os Vedas apreenderam essa unidade biológica em várias coisas existentes manifestadas em dupla, por exemplo, Agni e Soma, Stri e Punam, Kumara e Kumari, Pita e Mata, Linga e Yoni, Mahagna e Mahagni, Yama e Yami, Prana e Apana, Nara e Nari, da Terra e Céu, e assim por diante. A percepção rigvêdica de Prana e Bhuta – da vida e da matéria – que o Ṛgveda chama de Hiranyagarbha é, no entanto, mais explícita e mais bem definida. Em Hiranyagarbha, o ovo doutrado de onde brota o universo, hiranya ou ouro é o prana, a vida; é garbha é bhuta, a matéria. O Ṛgveda observa que ele (o cosmos? a existência?), era um único ovo, mas se dividiu em dois, Prana e Bhuta. O Ṛgveda não elabora a questão mais além, mas seu simbolismo se move em duas direções aparentes. 

Hiranyagarbha 
Hiranyagarbha

O ovo contém ambos, a vida e a matéria. Quando se divide, ambos se separam. Além da matéria inanimada, o ovo igualmente produz a matéria com vida. O Ṛgveda os chama de aprana e saprana. A matéria saprana tem vida, mas é apenas o ovo, o aspecto inerente ao sexo feminino, que por si só não é capaz de ir mais distante do processo criativo e é, por conseguinte, apenas o inativo Bhuta. É só depois de a energia masculina o fertilizar que ele se torna o Ovo dourado – o Hiranyagarbha do Ṛgveda. E, agora, o Hiranyagarbha – o Bhuta combinado com Prana, a matéria energizada pelo espírito – toma a sua própria forma e define a criação. A forma de Ardhanarishvara é, portanto, o Ovo dourado – a percepção visual da analogia Ṛgvêdica do Hiranyagarbha.

ARDHANARISHVARA: A SEMENTE CÓSMICA

Ardhanarishvara é, portanto, a Semente Cósmica, que é ao mesmo tempo, o pistilo e a antera, o Pita (pai) e o Mata (mãe), o Prana e o Apana, o Nara (homem) e a Nari (mulher), o Bhuta e o Prana, a matéria e o espírito, Prakṛti e Puruṣa e assim por diante, isto é, a percepção última da união da dualidade exterior. É a afirmação do fato de que a criação é instrumentada apenas quando a dualidade se funde como unidade absoluta. Mesmo quando ele é o poderoso Śiva, ou até mesmo os dois, o macho e a fêmea, a menos que se fundam em uma unidade inseparável, não podem ser instrumento da criação. Para efetuar a criação, um é obrigado a se dividir em dois e os dois se fundem num só. A forma de Ardhanarishvara é constante, o que afirma a continuidade e a recorrência do processo criativo, como a fusão do pistilo e da antera cria as sementes dos ovos de ouro e a semente se divide em pistilo e antera e, assim, o processo de procriação continua indefinidamente.

Shiva e Shakti
Shiva e Shakti

Para efetuar a criação, a fusão tem que ser absoluta, ou seja, não só os elementos masculinos e femininos que se fundem em unidade, mas também o seu ato, o que as escrituras têm identificado como a cópula, na qual todas as distinções, mesmo os agentes da feminilidade e a masculinidade, desaparecem. No Matsya Purana e no Linga Purana, pode-se perceber Ardhanarishvara como a forma composta de Linga e Yoni. Śiva e Parvati, sua consorte, também são percebidos como exemplos da polaridade Linga e Yoni. Assim, a forma de Ardhanarishvara não é apenas a Semente Cósmica, mas também representa o infinito ato procriador – o Casal Cósmico, em união.

Na filosofia Sankhya, os dois princípios cósmicos fundamentais são Purusha (que representa a consciência, um princípio masculino) e Prakriti (que representa a natureza, um princípio feminino). Todos os seres do universo contêm essa polaridade, ou seja, as forças naturais e o princípio consciente. No entanto, ao contrário da visão apresentada no símbolo de Ardhanarishvara, no Sankhya Purusha e Prakriti são dois princípios separados, que não provêm de uma unidade primordial e que nunca se fundem totalmente. Essa concepção Sankhya é, assim, bem diferente do conceito de uma fusão total, existente em outras correntes de pensamento indianas, embora também apareça na iconografia o símbolo da união entre Purusa e Prakriti sob uma forma que lembra Ardhanarishvara (ver abaixo). E devemos também nos lembrar que Shiva, sob o ponto de vista filosófico, é o princípio consciente inativo, e Parvati é o princípio ativo, o poder cósmico fundamental, que inclui o conceito de Prakriti – com a diferença de que Parvati, ou Shakti, não é apenas um poder, é um ser divino, consciente.

Purusha e Prakriti
Purusha e Prakriti

ARDHANARISHVARA: COMBINAÇÃO DE DOIS OU EXTENSÃO DE UM?

Como já foi mencionado antes, o termo Ardhanarishvara é uma combinação de três palavras: ardha, nari e ishvara, ou seja, respectivamente, metade, mulher e Senhor, isto é, Ardhanarishvara é o Senhor que é metade mulher. Alguns estudiosos interpretam o termo como indicando “a metade masculina”, que é Śiva e “a metade feminina”, que é Parvati. Tais interpretações são sugestivas de dveta, a dualidade da existência, e, portanto, contradizem a posição vêdica sobre o assunto. Tais afirmações também contradizem a filosofia Śaiva de adveta, que é muito enfática em sua afirmação de que só Ele é a causa de toda a existência, pois é por sua vontade que dele surgiu o cosmo. 

Ardhanarishvara 

No hino Śaiva Ekohum bahusyami, ou seja, “eu sou um, mas desejo ser muitos” (do Śiva Pūraṇa), ecoa a percepção rigvêdica da divisão do ovo em Bhuta e Prana. Há uma unidade primordial, e os Vedas também eram amplamente favoráveis ao princípio da existência monogênica. Além de sua ênfase na unidade da dualidade externa, o Ṛgveda aclama: “Ele, que é descrito como masculino, é também feminino; o olhar penetrante não poderá deixar de ver isso”. A afirmação Ṛgvêdica é explicitamente definida. O homem é tanto masculino quanto feminino, e vice-versa, o feminino é tanto feminino como masculino. A masculinidade e feminilidade são os atributos contidos em uma estrutura única.

Este simbolismo vêdico reverbera também em vários Purāṇas. O mito apresentado no Skanda Purāṇa apresenta-se bastante característico. Brahmā pede a Rudra (Śiva) para dividir-se, e logo a seguir Rudra se divide em duas metades, uma do sexo masculino e outro do sexo feminino. Em outro lugar, o Skanda Pūraṇa  menciona que Parvati pede a Śiva, “Deixe-me viver em você o tempo todo, abraçando você membro por membro”, isto é, Parvati se funde com Śiva, membro a membro, e a dualidade é eliminada. 

Ardhanarishvara

O Śiva Pūraṇa coloca a história de um modo um pouco diferente. Brahmā, no processo de criação, cria pela primeira vez um certo número de machos, os Prajapatis, e os manda produzir outros seres. Os Prajapatis, no entanto, falham em fazê-lo. E Brahmā então medita sobre Maheshvara (Shiva, o Grande Senhor). Logo após, Maheshvara aparece diante dele. Ele tem a forma composta de macho e fêmea e saindo desta forma composta, a criação surge com o ritmo desejado.

A RELAÇÃO MASCULINO-FEMININO 

A criação é essencialmente composta, e a forma de Ardhanarishvara é a sua melhor manifestação. A imagem de Ardhanarishvara representa sua forma absoluta e, portanto, a mais sagrada. Assim, mesmo no nível mundano, a forma de Ardhanarishvara é a percepção da unidade dos elementos conflitantes macho-fêmea. Esta percepção é essencialmente diferente do mundo ocidental, que percebe em Cupido e Psiquê, o deus do Amor e sua esposa, a união inseparável de macho e fêmea; no entanto, essa união ocorre entre duas entidades separadas. No pensamento indiano, uma vez que se manifesta na forma Ardhanarishvara, esta união é uma entidade única, com amplificação cósmica. 

A mitologia grega também apresenta uma forma hermafrodita. Salamacis, uma ninfa, se apaixona por Hermophroditus, filho de Afrodite. Depois que Hermophroditus recusa sua proposta, Salamacis reza aos deuses para colocá-la em seu corpo. E, assim, os dois se fundem, membro a membro, dentro de uma única estrutura. Esta forma grega hermafrodita tem dimensões míticas, mas não é nem divino nem cósmico ou procriativo, como é a forma Ardhanarishvara.

SHIVA COMO ARDHANARISHVARA

A maioria dos mitos de Ardhanarishvara, bem como a forma de Ardhanarishvara nas artes, está centralizada em Shiva. Há, no entanto, algumas raras exceções Vaishnavas (associadas a Vishnu) de Ardhanarishvara, como a menção do termo Vallabhavardham no Bhavishya Pūraṇa, ou algumas miniaturas tardias do norte da Índia. Vallabhavardham, é um termo Vaiṣṇava sinônimo de Ardhanarishvara (Vallabh: Viṣṇu; vardham: mulher), parece ter sido concebido por devotos de Viṣṇu, que poderia ter inspirado a criação das miniaturas que procuram representar Viṣṇu em forma de Ardhanarishvara. Essas miniaturas vêm primariamente da Kashmira, a faixa na região norte, onde o Vaiṣṇavismo tinha maior predominância ante de se tornar um grande centro de adoração ao deva Śiva. As formas Ardhanarishvara de Viṣṇu, além de serem uma raridade, são quase insignificantes sob o ponto de vista mitológico.

Vallabhavardham
Vallabhavardham: Ardhanarisvara = Vishnu + Lakshmi

A tradição percebe Ardhanarishvara principalmente como forma de Śiva, que é considerado como Sadaśiva, Adiśiva ou Adipuruṣa (o Shiva supremo, primordial, ou a consciência primordial). Como já foi discutido até agora, Ardhanarishvara é a Semente Cósmica atemporal, o processo de procriação infinita e da existência em seu caráter compósito, cujos aspectos são os atributos de Śiva, que é o eterno Linga, o vivificante Prana e o inesgotável Bhuta. Como o Ṛgveda o apresenta, Rudra, ou Śiva, é Agni (o fogo divino), que como Prana energiza todas as coisas. Ele é sem começo, como também é sem fim. Como Bhuta – ou Prakṛti, a matéria – é apenas um dos seus aspectos, ele é toda a existência. Ele cria a partir de si próprio e, portanto, é ele próprio é a criação. Ele assim é do sexo masculino como também do sexo feminino. 

O mito Vaiṣṇava é diferente. É sugestivo de dualidade (dveta), pois Viṣṇu não é a criação, mas o seu sustentáculo. O sustentador e aquilo que é sustentado são duas entidades. Ele é também apenas o masculino. Ele tem o feminino como seu complemento – sua consorte, embora em união inseparável, não se funde ao seu ser. Lakṣmi, como ela mesma ou como Sitā e Rādha, está com ele como Rama ou Kṛṣna, mas eles não são inseparáveis, como Śakti é inseparável de Śiva. Cada um dos nascidos é o único ovo – o masculino ou feminino – e assim são Brahmā e Viṣṇu. Śiva, ou Maheśvara, é o total – Sakala e Nishkala (com partes e sem partes), o Linga e o Alinga (com características e sem características), Rupa e Arupa (com forma e sem forma), o Atman e Maya, o Sansara e Nirvana, tudo o que é cronometrado e tudo o que está além do tempo, os nascidos e os não nascidos, o manifesto e o não-manifesto, o espírito e a matéria, o efêmero e o transcendental, o masculino e o feminino. A doutrina Shaiva acredita que o Senhor Śiva é o primeiro de todos os seres e a raiz de todos os elementos. Ele sempre foi e será o único. Sendo o primeiro, ele é o Adiśiva, e sendo sempre, ele é o Sadaśiva. Tanto quanto o Adiśiva e o Sadaśiva, Śiva tem inerente em seu ser o macho e a fêmea, o positivo e o negativo, e, portanto, sua forma de Ardhanarishvara.

FONTES DA IMAGEM DE ARDHANARISHVARA

A imagem de Śiva, tanto a antropomórfica como o simbólico Linga, tem manifestação pré-vêdica. Escavações em sítios do vale do Indo revelaram imagens de Śiva como Mahayogi (o grande Yogi) e Paṣupati (o senhor dos animais) e objetos que se parecem com o Linga são sugestivos da manifestação de Śiva como Linga e o culto de adoração ao Linga. Também há imagens antropomórficas com falo proeminente sugerindo a importância do Linga no seu culto. A imagem posterior de Śiva como Urdhalinga (que sai de dentro do Linga) foi apenas um desenvolvimento disso. Em dois de seus versos, o Ṛgveda critica o culto de adoração ao falo, o que sugere sua prevalência nas tribos não arianas. Além disso, tal culto de adoração do falo era predominante também em outras partes do mundo. Os restos da civilização helênica também revelam traços do culto do falo. O antigo Egito concebeu o deus Osíris sob a forma de Linga e o adorou.
Essas antigas imagens de Śiva não revelam tanto uma percepção iconográfica dele, mas revelam muito significativamente as suas dimensões divinas, das quais se desenvolveu posteriormente sua forma de Sadaśiva e Maheśvara e, conseqüentemente, a forma de Ardhanarishvara. Nessas primeiras imagens, ele é o Linga, a Semente Cósmica, a raiz da procriação e, portanto, ele mesmo a criação; como Paṣupati, o guardião dos rebanhos, ele é o mantenedor dos nascidos como também dos campos que os alimentou; como Mahayogi, ele é o Ser Cósmico, os meios de transcendência, isto é, ele é o Sansara como também o Nirvana.

A iconografia propriamente Śaiva surge, no entanto, durante a era pós-vêdica. As primeiras a surgirem foram as suas formas Sadaśiva e Maheśvara. A graciosa figura imponente de quatro braços com peito largo e Jatajuta elegante caracteriza essas formas. O touro majestoso era o seu veículo. Somado à sua iconografia, o touro deu-lhe uma nova dimensão. Agora, Maheśvara com seu touro se torna Vraśavaha Śiva. A forma usual de dois braços de Vraśavaha Śiva tinha uma de suas mãos repousando sobre o touro. 

Shiva e Parvati

Paraśiva, Sadaśiva, Maheśvara e Vraśavaha Śiva são principalmente as formas de Saumya Śiva. Estranhamente, sua consorte Parvatī não surge nesta fase inicial de imagens Śaivas, mas surge na sua forma de Ardhanarishvara. Obviamente, mesmo nas artes, a forma Ardhanarishvara não era um amálgama das duas formas, mas sim uma percepção independente de Śiva, que o representava na sua totalidade. Na prática, a iconografia da parte feminina da Ardhanarishvara foi descoberta na forma da Deusa Mãe, pois até então o panteão Brahmanico não possuía ícones das divindades femininas. Inspirado pela percepção vêdico de Śiva como Rudra, o furioso arqueiro e o domador de animais, há também o surgimento de Raudra Śiva, Śiva em suas formas violentas, mas a sua forma Ardhanarishvara não adotou qualquer uma de suas características a partir de Raudra Śiva, talvez porque Raudra e a forma feminina não poderiam aparecer juntos. As imagens de Ardhanarishvara encontraram sua iconografia masculina nas formas de Saumya Śiva, principalmente de Sadaśiva e Maheśvara, e na forma feminina da grande Deusa-Mãe.

DIMENSÕES ICONOGRÁFICAS DE ARDHANARISHVARA

Salvo algumas poucas exceções, a metade direita das imagens de Ardhanarishvara é composta por anatomia masculina e a esquerda pela feminina. Em algumas imagens, obviamente influenciadas pelo culto Śakta, a colocação das partes masculinas e femininas é trocada, como na figura abaixo.

Ardhanarishvara
Śiva, o Senhor, cuja metade mulher (Ardhanarisvara)
Escola Mankot, Punjab ocidental, aprox. 1710-20

No que respeita à perspectiva, estatura, dimensões do rosto e outras partes, nas esculturas predominam aspectos masculinos, e nas pinturas, que contemplam os aspectos mais suaves, a anatomia feminina é encontrada dominando a figura inteira.

Ardhanarishvara com Ganesha
Ardhanarishvara com Ganesha

Apesar de uma anatomia semelhante das duas partes, a parte feminina transmite a sensação de suavidade e elegância. Um peito proeminente elegantemente modelado é a essencialidade da anatomia feminina. A imagem de Ardhanarishvara pode ser dotada de dois, três, quatro, seis ou oito braços. Um número de braços superior a oito é atributo de Raudra Śiva, que foi concebido como tendo até mil braços. A imagem de dois braços é o de Ardhanarishvara na postura de Lalita, a bela, que está à vontade. A mão feminina carrega ou um espelho ou uma nilotpala, uma flor de lótus azul. A mão masculina ou repousa sobre o touro ou está solta abaixo da coxa. Também pode mostrar o abhaya-mudra, o gesto de transmissão de destemor. Quando tem três braços, um está no lado feminino e dois no masculino.

Ardhanarishvara

Nas figuras com quatro braços, uma das mãos masculinas mostra o gesto abhaya ou varada e outro carrega um tridente ou vara; a segunda mão feminina carrega diversos objetos, tais como o espelho, nilotpala ou um pote. Nas que têm seis ou oito braços, o lado masculino carrega, além do abhaya e varada, várias armas tais como o tambor; e no lado feminino, além do espelho, lótus, um jarro, e também o papagaio.

As imagens de Ardhanarishvara normalmente se apresentam em três posturas:
•    Abhanga, o corpo uma postura reta, sem uma curva;
•    Tribhanga, uma postura com três curvas suaves;
•    Atibhanga, uma postura com curvas extremas.

Abhanga Ardhanarishvara
Postura Abhanga de Ardhanarishvara

Tribhanga Ardhanarishvara
Postura Tribhanga de Ardhanarishvara

Atibhanga Ardhanarishvara
Postura Atibhanga de Ardhanarishvara

Quatro dos gestos das imagens de Ardhanarishvara – abhaya, varada, vyakhyana e katyavalambita, são os mais comuns. Em abhaya mudra, a mão superior direito é colocada na postura que protege do temor. Em varada mudra, a mão inferior direita transmite o sinal de boas vindas, compaixão, sinceridade. Em vyakhyana mudra, as pontas dos dedos polegar e indicador se juntam em um nó circular e os outros dedos ficam estendidos, definindo o gesto de transmissão da sabedoria. E na postura de katyavalambita, o braço direito é colocado descansando e, às vezes, suspenso sobre a cintura, katya. 

A distinção entre os dois aspectos, masculino e feminino, aparece mais no estilo dos trajes e adornos. A parte masculina tem o cabelo enrolado sobre a cabeça, jatamukuta, enquanto a feminina tem um penteado bem feito. A parte feminina usa em sua orelha um belo brinco, enquanto o lado masculino não usa brinco, mas tem um escorpião ou uma serpente. A metade masculina da testa tem a metade do terceiro olho e uma metade da marca feita com três linhas horizontais (tilaka). A metade esquerda da figura, a parte feminina, veste um sari, enquanto que a metade direita está coberta com o couro da pele de um elefante ou tigre, e em parte descoberta. Sua metade inferior, até os joelhos, geralmente está coberta por uma tanga de pele de leão ou tigre. Há outras diferenças que marcam as oposições entre os aspectos masculino e feminino do Ser Divino.

Ardhanarishvara
Masculino-Feminino - Unidade Divina

FONTES CONSULTADAS:

Este texto foi traduzido e adaptado a partir de material disponível no site Exotic India: “Ardhanarishvara in Art and Philosophy”, Article of the Month – June 2005, de autoria de Prof. P. C. Jain e Dr. Daljeet.
http://www.exoticindia.com/article/ardhanarishvara/

Você pode fazer download do texto completo, em português, apresentado nesta página, utilizando este link.

separador


Espaço de yoga Shri Yoga Devi
Campina Grande, Paraíba
http://www.shri-yoga-devi.org/

...
FaceBook link
.